05 Fev 2018

“Que tiro foi esse?”

Com a confirmação da condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (Lula), conclamou-se também o fim da história do Partido dos Trabalhadores (PT) em todo o território da Federação brasileira, é como se fosse uma espécie de efeito cascata, refletindo-se algo negativo. Em se tratando do Acre, é chegado ao fim de uma era, encerra-se um ciclo, consolidado por dois grandes fatores, um já mencionado, outro é o saturamento de anos e anos de gestão do Grupo dos irmãos Viana, culminando com a alternância de poder. No Acre, mais especificamente, as eleições rumo ao Governo Estadual, estão polarizadas entre Gladson Cameli (Progressistas) e Marcos Alexandre (PT). Muitos devem pensar... “a oposição ainda precisa aparar algumas arestas internas, acalmar os ânimos de alguns poucos líderes”. Mas muitos, em muitas rodas de conversas e em um número bem significativo, andam comentando que “brigas internas não atrapalham e nem definem derrota, até por que o PT é formado por correntes, forças, ou seja, são as famosas tendências. Significando dizer que a oposição poderá ganhar a disputa política do corrente ano, ainda no Primeiro turno. Nos tempos atuais, cientistas políticos estão divididos, (risos), são muitos acontecimentos, cabeças estão com os neurônios fervendo, isso é bom, os debates e raciocínios estão sendo postos. Ao falar de pensamentos externados, vejo em Redes sociais as juventudes da Oposição dando um verdadeiro e consistente show nas juventudes da Frente Popular, seja em defesas ou complementações de pensamentos em comentários, vejo poucos bate-bocas, estamos em um ano atípico, ambas juventudes estão se preparando, estudando mais, etc... friso, as manifestações dos oposicionistas estão evidentemente em maiores números às Redes. Entrando na questão dos vices, vejo que algo positivo soa à favor do Dr. Eduardo Velloso, não possui desgaste, possui boa formação acadêmica. Já Emilson Farias, mesmo possuindo boa formação acadêmica, está em crescente desgaste. A trajetória da dialética, desde Platão, até os filósofos alemães. Lembrando que Kant usou, em sua obra, as expressões antinômicas (tese) e (antítese) que foram largamente utilizadas por ele e às quais Fitche acrescentou o termo “síntese”, a que Hegel deu a dimensão de método essencial de análise, tomando pelo contexto: Família, sociedade, e Estado.

Att, Prof. Espec. Rondiney Dourado.

Escrito por  1 Comentário
Avalie este item
(1 Votar)

1 Comentário

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.