Henrique Afonso pode ajudar a cunhada na disputa para federal Henrique Afonso pode ajudar a cunhada na disputa para federal Henrique Afonso pode ajudar a cunhada na disputa para federal
01 / 03

Henrique Afonso pode ajudar a cunhada na disputa para federal

O ex-deputado Henrique Afonso (PSDB) não ficará de fora da disputa política em 2018. Se não for candidato, o que é muito provável, vai ajudar
02 / 03

Henrique Afonso pode ajudar a cunhada na disputa para federal

O ex-deputado Henrique Afonso (PSDB) não ficará de fora da disputa política em 2018. Se não for candidato, o que é muito provável, vai ajudar
03 / 03

Henrique Afonso pode ajudar a cunhada na disputa para federal

O ex-deputado Henrique Afonso (PSDB) não ficará de fora da disputa política em 2018. Se não for candidato, o que é muito provável, vai ajudar
22 SP_OUTUBRO 2017

 

A ex-deputada Toinha Vieira, ex-prefeita de Sena Madureira, fez duas correções em relação a notinha de ontem do Blog do Evandro Cordeiro, informando a ida dela e seu grupo para a Frente Popular. Ela usou um sobrinho para pedir a reposição da verdade. Primeira: esse PT que ela vai aderir é, segundo ela, muito diferente daquele partido arrogante do início de sua gestão. “Nosso negócio é com o Marcus Alexandre”, teria afirmado. Segunda: o grupo dela não vai se filiar em nenhum partido da Frente. Vai apenas apoiar a candidatura a governador do PT, mas todos permanecem filiados no PSDB.

 

Publicado em Blog

Informações adicionais

  • Post type Standard
22 SP_OUTUBRO 2017

Os governos do PT, nos últimos 20 anos, conseguiram um feito extraordinário no Acre: deixar até a quinta geração endividada. A observação é do deputado tucano Luiz Gonzaga (PSDB), depois da divulgação da movimentação feita pelo Estado só no BNDES. Foram pelo menos R$ 2,5 bilhões de pedidos de empréstimos. Pior: maioria para completar folha de pagamento.

Segundo o deputado Luiz Gonzaga, essa realidade pode ser o prenúncio de um futuro nada bom para o Acre. “O próximo governador vai assumir um pepino grande e grosso, porque a dívida é astronômica. Até nossos tataranetos estarão endividados. Aliás, não sei onde isso vai parar”, afirmou o parlamentar.

Publicado em Blog

Informações adicionais

  • Post type Standard
22 SP_OUTUBRO 2017

 

 

O PSDB não vai mais brigar para indicar o vice na chapa da oposição encabeçada pelo senador Gladson Cameli (PP). Quem garantiu isso agora há pouco ao Blog do Evandro Cordeiro foi o deputado federal Major Rocha, presidente do partido no Acre. Para Rocha, o vice dele de agora em diante é o deputado federal Alan Rick. “Essa é uma decisão minha, particular. Não sei qual vai ser a decisão do partido numa plenária que nós vamos realizar. Mas eu estou decido. Meu vice é o Alan”. Rocha acrescentou ainda que não será candidato a governador, mesmo que seu partido decida por isso, nem ao Senado. "Meu candidato a governador é o Gladson e nosso adversário é o PT. Agora repito: não sei se é isso que meu partido vai decidir", finalizou.  

 

Publicado em Blog

Informações adicionais

  • Post type Standard
22 SP_OUTUBRO 2017

 

O ex-prefeito de Xapuri, Marcinho Miranda (PSDB), confirmou que a cúpula do governo está "jogando pesado" na região para evitar uma vitória de Gladson Cameli (PP), senador e pré-candidato a governador pela oposição, em 2018. Mas nega ter se "vendido". Segundo Marcinho, seu compromisso é com a oposição, e mais ainda com o deputado federal Major Rocha. "Primeiro que não sou homem de me vender; segundo, politicamente vou com o Major Rocha para onde ele for", afirmou. Outro político importante da região que teria recebido a visita da Frente Popular seria a ex-vice-prefeita do Quinari, Branca Menezes (PSDB), mas o Blog não conseguiu contato com ela.    

 

Publicado em Blog

Informações adicionais

  • Post type Standard
22 SP_OUTUBRO 2017

 

O ex-deputado federal Sérgio Barros volta a disputar eleições depois de uma década e meia longe. Mas volta muito forte, segundo o presidente do PSDB municipal, Francineudo Costa, responsável por convencer Barros a disputar outra vez uma eleição. Quando se elegeu a primeira vez, em 2006, ele foi bem votado, mas deixou uma marca ruim ao gastar muito dinheiro. Isso faz com que o eleitor veja nele o que enxerga, por exemplo, na ex-deputada federal Antônia Lúcia: a possibilidade de ganhar dinheiro. “Mas as coisas mudaram. O Brasil está sendo passado a limpo e o eleitor está compreendendo isso. Não vai mais acontecer eleição milionária”, diz o dirigente Francineudo.

 

Publicado em Blog

Informações adicionais

  • Post type Standard