Henrique Afonso pode ajudar a cunhada na disputa para federal Henrique Afonso pode ajudar a cunhada na disputa para federal Henrique Afonso pode ajudar a cunhada na disputa para federal
01 / 03

Henrique Afonso pode ajudar a cunhada na disputa para federal

O ex-deputado Henrique Afonso (PSDB) não ficará de fora da disputa política em 2018. Se não for candidato, o que é muito provável, vai ajudar
02 / 03

Henrique Afonso pode ajudar a cunhada na disputa para federal

O ex-deputado Henrique Afonso (PSDB) não ficará de fora da disputa política em 2018. Se não for candidato, o que é muito provável, vai ajudar
03 / 03

Henrique Afonso pode ajudar a cunhada na disputa para federal

O ex-deputado Henrique Afonso (PSDB) não ficará de fora da disputa política em 2018. Se não for candidato, o que é muito provável, vai ajudar
10 Out 2017
Cleudo Rocha, ex-prefeito de Tarauacá: padrinho de 72 ex-pagãos  Cleudo Rocha, ex-prefeito de Tarauacá: padrinho de 72 ex-pagãos

Compadre Cleudo Rocha, o ex-prefeito que é padrinho de 72 afilhados

O ex-prefeito de Tarauacá, Cleudo Rocha, tem 57 anos de idade e, acredite, 72 afilhados. Isso mesmo. Ele é compadre de 72 casais, quase todos em seu município. “Tem alguns compadres em Feijó e em Rio Branco, mas são poucos”, diz. Todos os afilhados foram batizados na igreja da Paróquia de São José. Compadre Cleudo não anda cem metros numa rua de seu município sem que alguém lhe tome a benção. Coisa saudável do interior. “Já teve vezes que eu nem me lembrava que era padrinho do cara”, conta, irônico. É que alguns desses afilhados já são vovôs.

Cleudo Rocha é filho de um também ex-prefeito de Tarauacá, o município mais político abaixo da linha do Equador, que se localiza a 408 km de Rio Branco. O pai dele era o professor e delegado de polícia Tupanir Gaudêncio, que administrou a cidade entre 1966 a 1971. Ainda é muito lembrado por duas razões: foi o primeiro a sair da Câmara de vereadores para ser prefeito – só o filho Cleudo também viveu a mesma história; e por ter morrido naquele acidente de avião ocorrido em 1971 em Sena Madureira, no qual morreu também o então bispo da prelazia Acre/Purus, Dom Giocondo Maria Grotti. No mesmo vôo estava também o irmão mais velho do Cleudo, o Cleiber.

Com o pai e o irmão mais velho mortos, Cleudo Rocha passou a ser o único homem da casa, porque dos seis irmãos, quatro eram meninas. Junto com sua mãe, dona Teresinha Rocha, viúva aos 36 anos, ele passou a administrar a fazenda do pai, às margens do rio Tarauacá. “Um dia um professor me perguntou o que eu queria ser quando crescesse e eu respondi na lata: prefeito. Quero ser prefeito de Tarauacá”, conta Cleudo Rocha ao Blog. Dito e feito. Foi primeiro vereador, entre 1988 a 1992. Depois foi prefeito. Como seu pai.

Atualmente, Cleudo Rocha é uma relíquia política, com muito prestígio ainda. Ajudou na campanha do ano passado candidata Marilete Vitorino (PSD), no final eleita. Com a bagagem política acumulada, Cleudo ajuda nos arranjos políticos para dar governabilidade à administração de Marilete. Tudo sempre com muito bom humor, como um bom compadre do interior do Acre. Ele é o presidente do partido da prefeita, o PSD do senador Sérgio Petecão. De certo mesmo é que ninguém morre pagão na efervescente Tarauacá.

Escrito por  0 Comentário
Publicado em Blog
Avalie este item
(1 Votar)

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

BANNER PP P

Socialize