Henrique Afonso pode ajudar a cunhada na disputa para federal Henrique Afonso pode ajudar a cunhada na disputa para federal Henrique Afonso pode ajudar a cunhada na disputa para federal
01 / 03

Henrique Afonso pode ajudar a cunhada na disputa para federal

O ex-deputado Henrique Afonso (PSDB) não ficará de fora da disputa política em 2018. Se não for candidato, o que é muito provável, vai ajudar
02 / 03

Henrique Afonso pode ajudar a cunhada na disputa para federal

O ex-deputado Henrique Afonso (PSDB) não ficará de fora da disputa política em 2018. Se não for candidato, o que é muito provável, vai ajudar
03 / 03

Henrique Afonso pode ajudar a cunhada na disputa para federal

O ex-deputado Henrique Afonso (PSDB) não ficará de fora da disputa política em 2018. Se não for candidato, o que é muito provável, vai ajudar
27 Set 2017
O auditor Castro, ex-policial militar e federal: para ele a ditadura era ruim para maus elementos O auditor Castro, ex-policial militar e federal: para ele a ditadura era ruim para maus elementos

Auditor fiscal diz que “Ditadura” só era ruim para “vagabundo”

O auditor fiscal da Secretaria de Fazenda do Acre Joaquim José de Castro disse ao Blog do Evandro Cordeiro na manhã desta quarta-feira, 27, que a “Ditadura”, iniciada em 1964 e extinta em 1985 só foi ruim para “vagabundos”. Aposentado, deitado em uma rede, ele só topou entrar no assunto explosivo por ter sido peitado por pessoas ligadas à esquerda ao declarar voto a Jair Bolsonaro para a presidência da República nas redes sociais. “Um monte de alienados da esquerda vem falar besteira sem conhecer as coisas, como eu conheci”, afirmou Castro. “Por isso reagi. Tenho coragem. Sei o que foi aquele período”, conta.

Advogado, jornalista e professor de língua espanhola, Joaquim Castro tem bagagem para discutir assunto tão provocante. Além de auditor fiscal, com passagem limpa pela vida pública, ele foi policial militar em Alagoas e ainda foi agente da Polícia Federal por um rápido período. Segundo ele, na época do regime que a esquerda chama de “famigerada” ditadura, o Brasil avançou economicamente, a corrupção era praticamente zero e nas ruas do Brasil tinha ordem. “A coisa só era ruim para vagabundo, terrorista. Para esses a vida foi difícil, com certeza”, diz o ex-policial.

Joaquim Castro não torce exatamente para os militares voltarem ao poder, mas diz que o Brasil precisa de um choque de realidade e de ordem. “Só assim essa bagunça seria amenizada”, acredita. Não é por outra razão que o auditor assegura seu voto para Bolsonaro. “Precisamos de alguém com um pulso como o dele para a gente sonhar com a reposição da ordem”, afirmou ao Blog.         

Escrito por  2 comentários
Avalie este item
(2 votos)

2 comentários

  • Link do comentário Edimilson Severino da Silva postado por Edimilson Severino da Silva Quinta, 28 Setembro 2017 15:31

    Continuando com meus comentários, não poderia de ressaltar o renomado Juiz Federal Sérgio Moro, o que seria de nós brasileiros sem esse gigante da lei, meus parabéns Sérgio Moro, destaco aqui pessoas que admiro, Sergio Moro, Juiz federal Joaquim Barbosa, jornalista y comentarista gaucho do SBT Luis Carlos Prates, a jornalista Raquel Sheherazade, Jair Bolsonaro é pessoas assim que BRASIL precisa, parabéns pela sua postura professor y auditor Joaquín Castro.

    Relatar
  • Link do comentário Edimilson Severino da Silva postado por Edimilson Severino da Silva Quarta, 27 Setembro 2017 17:09

    Realmente como diz o nobre auditor Castro que esse Brasil precisa de um freio, esse país rico, gigante tomado por corrupção. Impostos altíssimos para sustentar a corrupção. Leis para sempre arrumar um jeitinho para facilitar a vida do bandido. É em todo país não é diferente, é o cidadão de bem se gradeando y delinquente a vontade sempre cometendo crime, a polícia enxugando gelo. É inadimissível o bandido ser preso com metralhadora ser solto, o mesmo bandido ser preso com AK 47 ser solto, alguma coisa estar errada, realmente professor esse país precisa de pulso fuerte.

    Relatar

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.