Paulinho da Força reafirma compromisso com pré-candidatura de Vanda Milani a federal Henrique Afonso pode ajudar a cunhada na disputa para federal
01 / 02

Paulinho da Força reafirma compromisso com pré-candidatura de Vanda Milani a federal

O presidente do Solidariedade, deputado federal Paulinho da Força, reafirmou agora há pouco, em Brasília, o compromisso do partido com a pré-candidatura da procuradora de
02 / 02

Henrique Afonso pode ajudar a cunhada na disputa para federal

O ex-deputado Henrique Afonso (PSDB) não ficará de fora da disputa política em 2018. Se não for candidato, o que é muito provável, vai ajudar
22 Mar 2018
O prefeito Zum Barbosa debruçado sobre documentos: essa a rotina. Ao lado extrato da dívida junto à Caixa Econômica com destaque para a data, abril de 2003, quando era prefeito o petista Manoel Batista    O prefeito Zum Barbosa debruçado sobre documentos: essa a rotina. Ao lado extrato da dívida junto à Caixa Econômica com destaque para a data, abril de 2003, quando era prefeito o petista Manoel Batista

33 milhões de dívidas e o prefeito desabafa: “Farra dos prefeitos do PT inviabilizou Assis Brasil”

O município de Assis Brasil é, disparado, o mais parado hoje no Acre por uma razão fatal da contabilidade: deve mais do que recebe. Prefeitos anteriores deixaram acumular uma dívida superior R$ 33 milhões e atual prefeito, Zum Barbosa (PSDB), foi escolhido para pagar o pato. “Eu mal assumi e a prefeitura ferveu de oficial de Justiça, promotor, polícia. As contas da prefeitura foram todas sequestradas e, no início, eu querendo entender. É muito rolo da época dos prefeitos do PT. Eles fizeram muita farra, achavam que, porque tinha do presidente ao governador, poderiam fazer o que fizeram. Tinham a sensação que todo petista tinha, a da impunidade. Resultado: eu cheguei no momento em que a Justiça resolveu cobrar”, diz o prefeito.

O dia dos repasses constitucionais é a pior data para o prefeito Zum Barbosa. Em meio ao sequestro de tanto dinheiro ele conseguiu livrar uma parte para pagar servidores, numa tentativa desesperada de evitar o caos administrativo, que é quando servidor fica sem salário.

No mais, o prefeito não tem conseguido fazer quase nada, senão contas, contas e mais contas. Ele passa horas reunido com a equipe fazendo cálculos e pedindo socorro a Brasília.

Anteontem, por exemplo, passou a tarde inteira tentando negociar com a Caixa Econômica a principal dívida da prefeitura, FGTS e consignados, que ultrapassa aos R$ 3 milhões. “Essa dívida da Caixa, cobrada agora na minha gestão, é que inviabilizou a prefeitura. Os prefeitos anteriores nunca depositavam o FGTS. Eu tenho os comprovantes da época do Manoel Batista, que administrou na época da vacas gordas”, diz Zum.

Batista é do PT e foi prefeito no período em que Jorge Viana (PT) era o governador. Foi uma época em que o País estava em crescimento e o PT não tinha limites, porque era como uma seita, adorado pela maioria.

Zum Barbosa nunca foi um azarado, segundo ele mesmo. Pelo contrário. Diz que teve muita sorte na vida ao alcançar tudo o que alcançou. Para se ter uma ideia, no início dos anos 1990 foi prefeito de Assis Brasil pela primeira e fez uma gestão tão aprovada que quase 20 anos depois se elegeu prefeito com certa facilidade, agora em 2016. Mas ele anda desconfiado do astral no qual deve ter entrado nesses últimos um ano e meio. “Os prefeito anteriores fizeram farra, não pagaram as contas ai, justamente eu, apareço na história para pagar esse pato”, afirma.

O que tem salvado a gestão dele são algumas emendas individuais e impositivas conseguidas em Brasília pela bancada federal, com destaque para os senadores Sérgio Petecão (PSD) e Gladson Cameli (PP), dos deputados federais Major Rocha (PSDB), Alan Rick (DEM). “Pelo menos as emendas estão salvando minha gestão”, diz ele, atolado no meio de uma pilha de documentos.

Escrito por  0 Comentário
Publicado em Evandro Cordeiro
Avalie este item
(3 votos)

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.